Dia 21/11 - 20h (Horário do Brasil) 22/11 - 08h (Horário do Japão)

Trabalho no Brasil: conversa com pessoas que retornaram do Japão 

Link: https://youtu.be/Qq0vTn77RXk

Participantes do Painel:

Carlos Uemura - Sócio Proprietário da Uemura Estética

Pamela Nagano - Recursos Humanos e Tradutora

Paula Ono - Empreendedora na Mamys Faz Arte

 

 

Dia 22/11 - 08h (Horário do Brasil) 22/11 - 20h (Horário do Japão)

Educação no Brasil : Filho de dekasseguis estudando em universidades brasileira

Link: https://youtu.be/Rk5i1jYKCFk

Participantes do Painel:

Stephanie Hosaka - Relações Internacionais UNESP

Tayna Hatori - Letras Português e Japonês USP

Rafael Igarashi - Análise e Desenvolvimento de Sistemas UNIP e MBAs na USP

 

Na segunda quinzena de novembro eu JOSÉ VANZELLI dar um curso no Museu de Imagem e do Som (MIS), em SP, sobre representações do Japão nas artes, o que chamam de "Japonismo". Serão 4 aulas de duas horas, dadas em três semanas (3 terças-feiras e 1 sexta). O curso vai ser online, pelo Zoom 

 

preview

REGULAMENTO DO

Concurso Bunkyo-Ciate

DEKASSEGUI 30 ANOS: NOSSAS VIVÊNCIAS

 

1 – Do Concurso

O presente Concurso foi organizado como uma das atividades complementares da série de lives sobre os “30 Anos da Comunidade Brasileira no Japão”, transmitida de 6 a 22 de novembro de 2020 pela Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo e pelo CIATE – Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior.

Essas lives contam com a participação de autoridades, estudiosos e decasséguis do Japão e do Brasil e têm como referência os 30 anos após a mudança da legislação nipônica, em 1990, que concedeu o visto de trabalho aos descendentes de japoneses.

O Concurso lançado em 6 de novembro de 2020, data da abertura da série, prosseguirá até o dia 28 de dezembro de 2020.

 

2 – Do Objetivo

O Concurso tem como objetivo incentivar a expressão da rica experiência humana vivida nesses 30 anos do movimento decasségui.

Pretende documentar a memória dos numerosos personagens dessa trajetória histórica refletindo os diferentes aspectos das significativas influências sócio-econômica-culturais nos países da América Latina e no Japão.

 

3 – Do Tema

O Concurso terá como tema “Decasségui 30 Anos: Nossas Vivências”, e deverá abordar situações que envolvem as experiências do dia-a-dia, as reflexões das vivências no Japão e/ou Brasil, ou as outras passagens que considerar relevantes nesta trajetória de 30 anos.

 

4 – Do Formato

O Concurso escolheu o formato de “diário ilustrado” que, no Japão, é chamado de “enikki”.

Trata-se de um formato adotado no ensino fundamental do Japão com a finalidade de incentivar a prática da redação entre os alunos. Por exemplo, é comum os professores adotarem a confecção do enikki como tarefa de férias aos seus alunos. Assim, além de diariamente criar determinada ilustração, o aluno deverá montar uma redação referente ao tema.

Há indícios que o enikki era utilizado desde a Era Heian (794/1185) como uma maneira de a nobreza descrever acontecimentos passados e/ou registrar as paisagens de suas viagens.

Também, foi muito empregado por cientistas e estudiosos para ilustrar costumes e culturas diferentes de outros países.

Atualmente, há um grande incentivo para que, não somente as crianças, como também os adultos adotem o enikki como forma de expressão. Ou seja, a ilustração como complemento das palavras para melhor expressar os pensamentos e/ou sentimentos.

Assim, este Concurso, de forma inédita, por meio de um formato adaptado do enikki, pretende estimular os decasséguis a manifestar suas experiências – que podem ser alegres, tristes, frustrantes, estimulantes, revoltantes, etc, etc. – como um documento vivo desses 30 anos da comunidade brasileira no Japão.

Enfim, pretende que a expressão desses sentimentos seja por meio do enikki, uma técnica tradicional japonesa que, certamente, é largamente conhecida dos brasileiros que moraram (e moram!) no Japão.

 

5– Dos Participantes

O Concurso é aberto a todas as pessoas, de qualquer idade, residentes no Brasil ou no Exterior.

Cada autor poderá inscrever apenas 01 (uma) obra.

Não poderão participar deste Concurso os diretores, membros da Comissão  Organizadora e funcionários do BUNKYO e CIATE.

 

6 – Da apresentação do enikki

a) o texto deve ser redigido em português e versar sobre o tema proposto.

b) O título da obra deve ser colocado na primeira linha do trabalho.

c) A obra deve ter no máximo 5 (cinco) páginas (formato A4 – 210 x 297 cm) incluindo texto e ilustrações já devidamente montados.

d) Não será necessário o uso do tradicional “genko yoshi” (papel quadriculado) usado na apresentação do enikki. A quantidade de ilustrações (bem como sua dimensão) fica a critério do participante, bem como a quantidade de caracteres do texto, desde que não extrapole o total de 5 (cinco) páginas.

e) A obra deverá ser apresentada obrigatoriamente junto com a ficha de inscrição devidamente preenchida e acompanhada da foto (tamanho 3x4 em alta resolução) do participante.

f) A obra deve ser inédita em quaisquer das formas de mídia possíveis. Entende-se por inédita, a obra que não foi editada, nem publicada parcialmente ou em sua totalidade em livros, antologias, coletâneas, jornais revistas, ou qualquer meio de comunicação, incluindo as redes sociais.

g) O texto deve estar devidamente revisado. As palavras em língua  estrangeira  devem ser grafadas em  itálico, e aquelas não dicionarizadas devem ter seu significado explicado em nota de rodapé ou glossário ao final do texto.

 

7 - Do Envio dos trabalhos

Os trabalhos deverão ser enviados por meio digital acompanhada da Ficha de Inscrição devidamente preenchida no email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

8 – Da Inscrição

A inscrição é gratuita e será feita mediante o completo preenchimento da Ficha de Inscrição no modelo anexo e encaminhado no prazo estabelecido (28 de dezembro de 2020). Deverá enviar também, em anexo, uma foto recente, tamanho 3x4, do participante.

 

9 – Do Julgamento

a) O julgamento ficará a cargo de uma comissão julgadora que terá inteira autonomia de avaliação, composta por 5 (cinco) membros nomeados pela Comissão Organizadora do concurso.

b) Competirá a Comissão Organizadora fixar prazo para os trabalhos da Comissão Julgadora, proclamar o resultado e anunciar o nome dos escolhidos para a premiação.

c) Os trabalhos de julgamento correrão em regime de sigilo.

 

10 – Da Irrecorribilidade do julgamento

Do resultado do julgamento, não caberá recurso.

 

11 – Da Responsabilidade pela autoria

Os concorrentes assumem inteira responsabilidade pela autoria da obra que apresentarem, e respondem pela violação dos direitos autorais de terceiros, que praticarem.

  

12 – Da Licença

Os concorrentes concedem à Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (BUNKYO) uma licença gratuita, mas não exclusiva, pelo período de 10 (dez) anos, para eventual publicação, isolada ou em antologia, facultado ao uso de qualquer modalidade de mídia. 

 

13 – Da Classificação e Premiação

a) O autor do trabalho classificado em 1º lugar será premiado com um computador notebook (que não poderá ser revertido em dinheiro) e receberá um diploma de Honra ao Mérito emitido pela Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo e pelo CIATE – Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior.

b) Os autores dos cinco melhores trabalhos receberão diplomas de Honra ao Mérito emitidos pela Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – Bunkyo e pelo CIATE – Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior.

c) Os melhores trabalhos indicados pela Comissão Julgadora farão parte de uma Antologia alusiva aos 30 anos da comunidade brasileira no Japão a ser publicada pelas entidades organizadoras do evento.

 

14 - Da Comissão Organizadora

 A Comissão Organizadora terá poderes para não aceitar inscrições, ou para desclassificar contos que estejam em desacordo com este Regulamento. Também para decidir casos omissos ou dúvidas surgidas, emitir instruções e adotar outras medidas que julgar adequadas ou necessárias para o bom andamento do concurso. Das decisões da Comissão não caberá recurso.

 

************************************

 

 

Código de identificação (espaço destinado aos organizadores): .........................................

 

FICHA DE INSCRIÇÃO

 

Nome completo ....................................................................................

 

Nome literário (se tiver) ........................................................................

 

RG/RNE nº.......................................CPF nº .........................................

 

Endereço ..............................................................................................

..............................................................................................................

 

CEP.........................Cidade...................................................UF...........

 

E-mail: ..................................................................................................

 

Telefones: (....)..................................Celular (....).................................

.

Título da obra:

..............................................................................................................

 

Importante: anexar uma foto 3x4 em digital, alta resolução

 

Solicito a minha inscrição ao

 Concurso Bunkyo-Ciate - DEKASSEGUI 30 ANOS: NOSSAS VIVÊNCIAS estando de acordo com os termos do seu Regulamento.

 

Declaro que a obra apresentada é inédita, e de minha autoria.

 

Data: ..................................................................

 

Assinatura: .........................................................

 

Breve currículo do autor:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Concurso: Memória dos 30 Anos da Comunidade Brasileira

Instituído o Concurso Bunkyo-Ciate: “Decasségui 30 Anos: Nossas Vivências”, em formato de “enikki” (diário ilustrado) e que oferece um notebook ao vencedor.

Ao iniciar o planejamento da serie de lives sobre os “30 Anos da Comunidade Brasileira no Japão”, queríamos complementar com algo que fosse especial e pudesse marcar esse evento.

Quem afirma é Rodolfo Wada, presidente da Comissão Projeto Network, responsável pela coordenação do evento em parceira com o CIATE – Centro de Informação e Apoio ao Trabalhador no Exterior.

Assim surgiu a proposta de um concurso destinado a documentar e “rica experiência humana vivida nesses 30 anos do movimento decasségui”, destaca.

A proposta é a de utilizar o formato de “diário ilustrado” que, no Japão, é conhecido como “enikki” e tem uma história que vem desde a Era Heian (794/1185).

“Esta é uma experiência muito especial, própria de quem viveu no Japão por certo tempo, seja como estudante, seja acompanhando os estudos das crianças”, afirma Yoshio Yoshizane, integrante da Comissão Organizadora e que estudou e morou no Japão durante vários anos. Saudoso, relembra que “a dificuldade era fazer enikki durante as férias, quando a gente não queria saber da escola e dos estudos, mas foi importante para treinar a redação”.

O Concurso Bunkyo-Ciate: “Decasségui 30 Anos: Nossas Vivências” deseja reunir trabalhos que abordem situações que envolvam as experiências do dia-a-dia, as reflexões sobre a vivência no Japão e/ou Brasil, ou outras passagens relevantes.

O formato para a apresentação do trabalho é o “enikki” que combina texto e ilustração e tem sido adotado no ensino fundamental.  O enikki já era utilizado desde a Era Heian (794/1185) como meio para a nobreza descrever acontecimentos passados e/ou registrar as paisagens de suas viagens. Também foi muito empregado por cientistas e estudiosos para ilustrar costumes e culturais diferentes de outros países.

Atualmente, há um grande incentivo para que, não somente as crianças, como também os adultos adotem o enikki como forma de expressão. Ou seja, a ilustração como complemento das palavras para melhor expressar aos pensamentos e/ou sentimentos.

O Concurso é aberto a todas as pessoas, de qualquer idade, residentes no Brasil ou no exterior.

Como se trata de uma adaptação do enikki, ao invés de usar os tradicionais papeis “genko yoshi”, os trabalhos deverão ser apresentados em formato A4 (210cmx297cm), em até 5(cinco) páginas, incluindo texto e ilustração já devidamente montados.

 

 

Os trabalhos devem ser enviados por meio digital, acompanhados da ficha de inscrição preenchida para o email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

A inscrição é gratuita e o prazo vai até 28 de dezembro de 2020. O vencedor será premiado com um notebook e os melhores trabalhos, a critério da Comissão Julgadora, farão parte de uma antologia alusiva aos 30 anos a ser publicada pelas entidades organizadoras.

 

 

O brasileiro Matheus Miciano de 18 anos, venceu o concurso de redação com o tema A Alegria de Viver, no 60 edição do concurso de redação realizado na Biblioteca da Província de Aichi.

Matheus é aluno do terceiro ano do Colegio Toyota Nishi , de meio período, obteve o prêmio máximo intituilado de Governador da Província.

No ginásio não sabia falar japonês, mas dedicou a estudar nessa escola, enquanto trabalha em uma fábrica.

Superou os obstáculos e chegou a ser escolhido como representante dos alunos e obter nota máxima em uma prova.

Alguns  participantes relataram:  “por causa do bullying tive vontade de morrer mas depois que comecei a estudar nesse tipo de escola fiz amigos”. São 37 instituições de ensino com formato diferente do tradicional que oferecem o ensino colegial em Aichi.

Tem  alunos que tinham desistido de estudar ou os que decidiram trabalhar enquanto continuam os estudos são maioria e encontram nelas uma nova oportunidade, como foi para Matheus.  Depois de receber o prêmio disse sorridente “estou muito feliz.” Entrevistado, sobre seus sonhos, respondeu “quero ir para a faculdade a fim de obter licença para ser professor, mas também sonho em me tornar um treinador esportivo”.

preview

Ayudame a Ayudar, é um grupo de voluntário composto de sul-americanos, com sede em Handa (Aichi).

Esses voluntários arrecadam arroz, verduras e outros alimentos doados pelos vizinhos e amigos para distribuir para as pessoas que perderam o emprego ou tiveram queda de renda devido a crise d pandemia.

Essa ação do Grupo aliviaram muitas familias que foram ajudadas.

Quem se interessar para contribuir :

Fonte: NNN

A Prefeitura de Hamamatsu(Shizuoka) instalou uma classe de apoio escolar para que as crianças estrageiras que não estejam frequentando escolas primárias ou ginasial devido a pandemia possam receber aulas suplementares  de japonês.  Além do idioma, elas também recebem reforço para as matérias regulares, através de 5 professore, das 13 às 16:30 horas, de segunda a quarta-feira.

A prefeitura designou a Associação Internacional de Hammatsu para assumir essa classe chamada de Eki Minami Kyoshitsu, localizada em Kyodo Center que fica em Naka-ku Ebitsuka.

25 mil são estrangeiros da população de 800 mil pessoas da cidade, os brasileiros são a maior comunidade, 9,5 mil pessoas, seguidos de filipinos, cerca de 4 mil e 3,2 de vietnamitas.

 Tokyo registra 98 novos casos de Covid 19

Confirmados nesta segunda em Tóquio 98 novos casos de coronavírus, sendo que aproximadamente 50% são pessoas na faixa dos 20 aos 30 anos.

Segundo as autoridades, dentre os infectados:

  • 1 tem idade inferior que 10 anos
  • 2 são jovens na faixa dos 10
  • 46 estão na faixa entre 20 a 30 anos
  • 33 têm entre 40 a 60 anos
  • 24 são idosos com mais de 60 anos, sendo que 5 têm mais de 80

Esta foi a primeira vez desde o dia 14 deste mês que o número de infectados ficou abaixo dos 100.

Até o momento, Tóquio registrou 24.306 infectados. O número de pacientes em estado grave totaliza 27.

Yoshihide Suga, 71 anos, partido Liberal Democrata (PLD), secretário-chefe do Gabinete do Shinzo Abe, novo líder do Japão, substituirá o Primeiro Ministro Shinzo Abe.

Conquistou 377 votos, enquanto que seus concorrentes Kishida, conseguiu 89 votos e o Ishiba 68 votos.

Desde 2012, Suga foi braço direito de Shinzo Abe como secretário.

Pais do Suga, eram agricultores, produtores de morango.

Suga é discreto, realista, prático e objetivo.

Na juventude já trabalhou em fábrica de papelão e em mercado de peixes para poder cursar faculdade.

Em 1973, formou-se em Direito.

Em 1987, conquistou cargo público como vereador da Cidade de Yokohama.

Sendo assessor de Shinzo Abe, implementou o conhecido Plano Abenomics : flexibilização monetária, reformas para estruturar o impulso da estagnação da economia japonesa.

Ganhou fama em abril de 2019, anunciando a nova era Imperial : Era Reiwa.

preview

1. Senso de humildade 

No ocidente mostrar excesso de confiança, geralmente é visto como positivo, "o cara", ser popular, mas no Japão, eles apreciam as pessoas que se mostram mais "humilde", jeito mais tímido, respeitoso de se comunicar. Sempre perguntando, pedindo conselhos, consultando antes de fazer alguma coisa, nunca tome atitude de decidir sozinho os trabalhos, sempre consulte o seu superior antes de fazer.

 

2. Nomikai - são "happy hour", apos o trabalho podem te convidar para beber, para entrosar com os japoneses, é bom participar. Se recusar no começo, pode ser falta de respeito, pode achar que está desprezando, então é bom aceitar pelo menos na primeira vez. É uma boa oportunidade de fazer amizades.

3. Erros, não são esquecidos facilmente 

É fundamental, prestar atenção em todos os detalhes, pois um simples erro pode ser visto pelos japoneses muita gravidade do que possa imaginar. 

4. No Japão, o trabalho vem antes de qualquer coisa, até mesmo da família, essa mentalidade aos poucos esta´mudando, mas nem tanto assim.

Por isso, observe bem, como é a empresa que você trabalha. 

Exemplo: licença parental, depois que nasceu filho, pedir licença, ainda não é bem visto.

Nicholas Naruto Kuroki

Vencedor de um concurso de karaokê no Brasil (16 anos) veio ao Japão com 18 anos com a promessa de estreia como cantor. Era tudo mentira, mas não desistiu.

Chegando com 18 anos, em 2016, o homem que prometeu a ele carreira de cantor, sumiu, abandonando. 

Sem recursos e sem saber o idioma, ficou 3 dias em uma praça na cidade de Yokohama em Província de Kanagawa.

Pediu ajuda a uma mulher japonesa num evento e morava nas mediações, quem o acolheu, pois soube que ele ainda queria ser cantor.

Ele confessa que foi dificil conviver come ela, pois não sabia falar japonês, então empenhou nos estudos do idioma japonês e fazia arubaito em loja de conveniencia. 

Depois de um ano a senhora arrumou um show para ele num asilo, aí “Ao cantar compreendendo o significado da letra fiquei realmente impressionado ao ver a reação. Nessa hora tive certeza que essa era a minha profissão”.

 

 

Depois de ser selecionado para participar do The Karaoke Battle, da TV Tokyo, transmitido em abril de 2018, cantou e encantou com suas habilidades de cantor, em voz refrescante como uma brisa.

 

Um representante da Tokuma Japan Communications, de Tóquio, o convidou. Nessa hora teria pensado “de novo?”, com uma certa apreensão. Mas era verdade. Sob os ensinamentos do compositor Kenji Miyashita trabalhou duro para ser lançado como profissional. 

3 brasileiros que estava desempregados devido a pandemia, conseguem arubaito (temporário) no centro de coleta de lixo

Desde julho, no Centro do Meio Ambiente de Toyohashi (Aichi) 3 brasileiros foram contratados como temporários. 

Há mais de 15 anos chegaram ao Japão e trabalharam em indústrias como a muitos. Mas, por causa da crise do coronavírus perderam seus empregos na primavera deste ano. São todos residentes na cidade.

O chefe deles contou para a reportagem “fiquei preocupado na admissão”. Mas ao ver que a comunicação em japonês ou gestual está fluindo, disse que os 3 estão trabalhando bem. 

O gerente da Divisão Internacional de Coexistência Multicultural na cidade Hitomi Koshimizu “está difícil para os estrangeiros que perderam seus empregos recuperarem uma vida estável”. Especialmente mais difícil para aqueles que não têm domínio do japonês. 

A gerente aponta “há muitos estrangeiros que ainda pensam que só precisam fazer o trabalho que lhes foi atribuído, mas gostaria que aprendessem o idioma japonês para terem comunicação”.

Em Toyohashi vivem cerca de 20 mil estrangeiros, cerca de 5% da população da cidade. Na província de Aichi só fica atrás de Nagoia, com maior número de residentes estrangeiros.