Estas regras entraram em vigor a partir do final de março de 2017.

As regras atuais exigem um mínimo de cinco anos de residência no Japão, por isso a alteração representará uma grande mudança para a política de imigração do país.

O Ministério iniciou o processo de comentário público sobre as novas regras em 17 de janeiro, e planeja implementá-las, através de portaria ministerial, até o final de março deste ano.

O Parlamento Japonês aprovou uma reforma da lei na previdência social do país, na qual reduz o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria, de 25 anos para 10 anos.

Aprovada no ano passado, a medida vale tanto para os trabalhadores que contribuem com o sistema de aposentadoria da empresa onde trabalha (kousei nenkin), como pelo sistema da prefeitura local (kokumin nenkin).

São Paulo - A turbulência política vivida hoje pelo Japão trouxe ainda mais incertezas sobre a concessão do visto para yonsei. O primeiro-ministro Shinzo Abe, que abraçou a ideia do benefício aos descendentes de quarta geração, dissolveu o Parlamento no último dia 28, convocando eleições antecipadas para 22 de outubro.

“O primeiro-ministro, em um gesto de autoconfiança, apostou todas as fichas na vitória de seu partido, o Liberal Democrata, e de seu maior aliado, o Novo Komeito, que hoje juntos detêm maioria cômoda, 329 das 425 cadeiras”, disse o presidente do CIATE, Masato Ninomiya, durante palestra no aniversário de 25 anos da entidade, comemorado no domingo (8), em São Paulo.

Estatística da Divisão de Política de Emprego dos Estrangeiros do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-Estar Social


  • O índice de aumento de candidatos em relação às ofertas de empregos em fabricas e processo de produção excedeu uma parcela, ainda assim, cerca de 3.7% dos estrangeiros procuram empregos nesta categoria.
  • Nas categorias de cuidado aos idosos e de construção, o número de oferta de empregos está excedendo o número de procura, e o índice de aumento de candidatos chega a ser relativamente alta também.
  • Quando se busca empregos no Japão, mesmo que o candidato seja estrangeiro, muitos empregadores buscam pessoas que tenham um alto conhecimento da língua japonesa.

Simpósio Internacional

Na comemoração de 25 anos de atividades do CIATE, mostrar a trajetória do movimento “Decasségui” sob vários ângulos:

- Experiência educacional, - Criminalidade, - Dificuldades de aprendizagem da Língua Japonesa, - Informações sobre a situação de empregos no Japão, - Empreendedorismo.

E o assunto mais recente que é sobre o Visto para Yonsei.

Com tradução simultânea (precisa de um documento de identificação)

 

Data: 08/10/2017 – Domingo

Das 09 h ~ 18 h

Local: Auditório Pequeno do “Bunkyo”

R. São Joaquim, 381 – Edifício Anexo

Liberdade – São Paulo – SP

Inscrições tel. (11) 3207-9014

Inscrição é imprescindível devido ao “coffee break”

Entrada Franca

 

Programação – 08 de outubro de 2017

08h:30 – início da recepção

09h – Palavras de abertura do Presidente do CIATE – Dr. Masato Ninomiya

09h10 – Trajetória da ex-decasséguis brasileiros que desenvolvem atividade empresariais no Japão – Prof. Masatoshi Ozaki, Professor da Universidade Aomori Gakuin

09h50 – 23 Anos de experiências: Interagindo sob vários aspectos da comunidade brasileira no Japão – Padre Evaristo Higa, Igreja Salesiano de Pindamonhangaba

10h30 – Recente situação de empregos para trabalhadores brasileiros e políticas do Governo do Japão – Sr. Yoji Kobayashi, Conselheiro do Ministério da Saúde, Trabalho e Bem Estar Social do Japão

11h10 – Perguntas e Respostas

11h40 – “Cerimônia de entregas de placas de agradecimento”

12h – Intervalo para almoço

13h – Japonês para fins específicos: particularidades, necessidades e dificuldades no ensino de língua japonesa para decasséguis – Prof. José Carvalho Vanzelli, Professor de Japonês do CIATE

13h40 – Minhas experiências de vida no Japão – Profa. Caroline Natsumi Nakazawa, Professora de Língua Japonesa na Soka do Brasil Escola

14h20 – Perguntas e Respostas

14h40 – “Coffee Break”

15h10 – Situação atual dos trabalhadores brasileiros no Japão – Prof. Yasushi Iguchi, Professor da Universidade Kwansei Gakuin

15h50 – Ação penal por representação dos crimes envolvendo brasileiros no Japão: Questões sociais e jurídicas – Sra. Shiho Tanaka, Tradutora

16h30 – A necessidade futura de mão de obras estrangeira no Japão e o Visto de Yonsei – Dr. Masato Ninomiya, Presidente do CIATE

17h10 – Perguntas e Respostas

17h40 – Apresentação dos Bolsistas Shoei

Dados divulgados pelo Ministério da Justiça do Japão mostram que, só no ano passado, o país deportou 89 brasileiros por infração da Lei de Imigração. O número mostra uma alta de 36% em relação a 2015, quando a quantidade de brasileiros deportados daquele país chegou a 65.

No total, as autoridades japonesas prenderam 205 brasileiros por infrações diversas da legislação imigratória, a maioria com visto vencido. Outros não solicitaram a prorrogação da permissão de estada ou  não procuraram mudar o status do visto para que pudessem continuar residindo no país. Houve ainda aqueles que se envolveram com entorpecentes e, durante o processo investigatório, tiveram o tempo de validade do visto vencido.

O deputado Shimoji, em sua palestra realizada no dia 21 de Julho, no salão nobre do Bunkyo, informou que no próximo mês de novembro pretende apresentar junto à Câmara de Representantes uma proposta de recepção dos descendentes de japoneses da quarta geração, conforme adotado no sistema de “Working Holiday”.

Contou que no início de fevereiro último, em reunião no Comitê de Orçamento da Câmara dos Representantes, perguntou ao primeiro-ministro Shinzo Abe sobre a possibilidade de recepção aos yonseis. De acordo com ele, o premiê destacou “a necessidade de corresponder à forte admiração e ao carinho que os descendentes de japoneses, incluindo os da quarta geração, nutrem pelo Japão”.

Esta declaração, afirmou o deputado Shimoji, foi uma espécie de “sinal verde” para os estudos que tomaram direção ao sistema do “working Holiday”, que atualmente o Japão mantém com 18 países e regiões.

 

Este evento será realizado pelo governo japonês (METI - Ministério da Industria, Comércio e Economia do Japão) e apoiado pelo CIATE, Avance Corporation e Claudio Suzuki, para os interessados em trabalhar no Japão.

A Feira será realizada nas seguintes datas:

Dia 19/05 - sexta-feira - das 14:00 ~ 16:30  (São Paulo - SP)

Dia 20/05 - sábado - das 10:00 ~ 1200 e 13:00 ~ 16:00 (Maringá - PR)

Dia 21/05 - domingo - das 13:00 ~ 16:00 (São Paulo)

Em São paulo será realizado no Bunkyo - Rua São Joaquim, 381- Liberdade - Sala de exposição(edifício anexo)

Em Maringá será realiazado no Hotel Deville - Av. Herval,26 - zona 01 - Centro - Maringá 

Para os interessados, pedimos que faça sua inscrição no telefone 3207-9014.

Segue abaixo as empresas que estarão presentes com suas respectivas vagas. Clique em cima para saber mais informações.

No início da imigração japonesa no Brasil, em cada cidade que recebia imigrantes japoneses, era criada uma associação cultural, esportiva e educacional.

Até hoje, não sabemos ao certo quantas entidades continuam trabalhando para divulgar a cultura japonesa no Brasil, mas sabemos que os resultados estão sendo alcançados na prática, pois os brasileiros em geral admiram, praticam e respeitam os valores e as tradições da cultura japonesa.

Para alcançarmos mais visibilidade e representatividade, precisamos reunir dados confiáveis, comprovando o alcance e a repercussão do trabalho voluntário das mais de 400 entidades nikkeis de todo Brasil.

O Centro de Estudos Nipo-Brasileiros - Jinmonken, uma entidade que estuda a comunidade nikkei, com apoio da Nippon Foundation, Embaixada do Japão no Brasil, Consulado Geral do Japão em São Paulo e Fundação Kunito Miyasaka, está organizando um projeto de cadastramento de informações sobre todas as entidades nikkeis no Brasil.

Os pesquisadores vão visitar pessoalmente TODAS as associações nikkeis do Brasil, em todas as regiões do país, para compilar dados, fotos e informações sobre a comunidade nipo-brasileira. 

Essa pesquisa vai mudar o panorama das ações da comunidade, pois teremos uma visão clara das nossas oportunidades e desafios para o futuro.